Protesto: De mãos dadas, servidores mostram união no Poder Judiciário

02/04/2015 11:57
Em manifestação recorde, nesta quarta-feira (1º) cerca de 1,2 mil servidores do Poder Judiciário em mais de 30 Comarcas do Tribunal de Justiça (TJMS) pararam suas atividades durante os 15 minutos de intervalo sincronizado para protestar por melhores condições de trabalho.

O movimento foi pacífico e aconteceu concomitantemente em todo Estado de Mato Grosso do Sul no período das 15h às 15h15, onde os servidores, de mãos dadas, se reuniram nos respectivos Fóruns para mostrar a força e união da categoria.

Em Campo Grande, mais de 300 servidores participaram do abraço simbólico, fazendo um arco em torno do Fórum Heitor de Medeiros, passando pelas ruas da Paz, 25 de Dezembro e Barão do Rio Branco.

“Mais uma vez os servidores do Judiciário superaram as respectivas e participaram em massa da mobilização, que cada vez mais tem unido a categoria para uma eventual greve”, explanou o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário (Sindijus-MS), Leonardo Barros de Lacerda, juntamente ao diretores Ione Rojas e André Luiz.

As manifestações têm o objetivo de chamar a atenção da presidência do Tribunal de Justiça para responder a Pauta de Reivindicações dos servidores. Os movimentos serão intensificados gradualmente durante a negociação salarial e caso os pleitos não sejam atendidos, os trabalhadores podem entrar em greve e parar os serviços do Judiciário por tempo indeterminado.

Os demais diretores do sindicato acompanharam o intervalo sincronizado nas Comarcas do interior do Estado. O presidente do Sindijus, Fabiano Reis, participou pessoalmente no Fórum de Jardim. “Nós pretendemos integrar os municípios do interior e da Capital, unindo toda categoria pelo mesmo objetivo de melhores condições de trabalho”, ressaltou.

Este foi o 2º intervalo sincronizado dos servidores do Poder Judiciário no Estado para protestar contra falta de valorização por parte do Tribunal de Justiça, tendo um dos piores salários comparado aos demais Tribunais de Justiça do País.

 Fonte: Sindjus-MS